Noel Rosa e a entrevista póstuma a Sérgio Cabral

Como seria uma entrevista com um dos maiores personagens do samba? O jornalista Sérgio Cabral pensou em como se desenrolaria um papo com Noel Rosa a partir das composições do músico. A entrevista foi publicada no Pasquim, em 1973.

Os diálogos são geniais, assim como o retrato de Noel pintado por Cabral:

O PASQUIM – Você um cara cheio de problemas de saúde, não saía dos bares, bebendo a noite inteira, batendo papo, etc.

NOEL ROSA – Saber sofrer é uma arte. E pondo a modéstia de parte, eu sei sofrer.

O PASQUIM – Então você sofreu pra burro.

NOEL ROSA – Mesmo assim não cansei de viver.

O PASQUIM – Mas as mulheres de vez em quando, te faziam sofrer mais ainda.

NOEL ROSA – Quem sofreu mais do que eu não nasceu.

As declarações ao samba:

O PASQUIM – Você gosta mesmo é de samba, não é?

NOEL ROSA – O mundo é um samba em que eu danço sem nunca sair do meu trilho.

O PASQUIM – Você acha mesmo o samba um troço importante?

NOEL ROSA – Exprime dois terços do Rio de Janeiro.

O PASQUIM – Tenho vários amigos que não gostam de samba, querem voar mais alto.

NOEL ROSA – Mas quem voa em grande altura leva sempre grande queda.

O PASQUIM – Não fale assim, Noel, os caras podem se chatear.

NOEL ROSA – O que eu falo é bem pensado. Não receio escaramuça. E que aceite a carapuça quem se sente melindrado.

E em outro trecho, a ironia de Noel:

O PASQUIM – Você não tem medo de ninguém?

NOEL ROSA – Sou independente como se vê.

O PASQUIM – Independente? Está rico?

NOEL ROSA – Não consigo ter nem pra gastar.

O PASQUIM – Ou seja: está durão.

NOEL ROSA – Já estou coberto de farrapo, eu vou acabar ficando nu. Meu paletó virou estopa e eu nem sei mais com que roupa que eu vou pro samba que você me convidou.

Para ler a entrevista na íntegra, clique aqui.

E como você imaginaria Noel Rosa se ele estivesse vivo hoje?

Boninho fala sobre a parceria do Prêmio da Música com a TV Globo

Desde a primeira edição do Prêmio da Música Brasileira, em 1987, a TV Globo transmite a cerimônia de entrega dos prêmios.  O diretor geral do programa, José Bonifácio Brasil de Oliveira, o Boninho, fala sobre esta parceria de 24 anos. “O mais importante desse casamento com a TV Globo é que a gente tira o prêmio do Theatro Municipal, que tem 2 mil ou 5 mil pessoas, e leva para milhões de pessoas. Esse é o maior benefício da televisão junto ao prêmio”.

Veja a seguir a entrevista que Boninho concedeu ao site:

 

Grande elenco na homenagem a Noel Rosa

Cada edição do Prêmio da Música Brasileira é marcante: o palco do Theatro Municipal fica pequeno para tantos artistas consagrados que passam por lá. E não será diferente na próxima: Marisa Monte e Dori e Nana Caymmi cantarão músicas de Noel Rosa na festa de premiação.

Marisa cantará “Feitio de oração”. Já Dori e Nana estarão juntos em “Pra que mentir” e “Último desejo” – clássicos do sambista, que é o homenageado desta edição do prêmio.

Veja a seguir “Feitio de oração” na voz de Gal Costa: