As 7 músicas mais icônicas do Secos e Molhados com Ney Matogrosso!

Vamos voltar para a década de 70, quando Ney Matogrosso, que será nosso homenageado no PMB28, começou sua carreira de sucesso. Na época, o cantor tentava fazer a sua carreira acontecer, quando conheceu o produtor musical João Ricardo, que buscava um artista com voz aguda para uma banda… que seria nada menos que a Secos & Molhados!

Em agosto de 1973, foi lançado o icônico primeiro álbum da banda, com Ney. Nele estavam presentes as músicas mais famosas da banda até hoje: “Sangue Latino”, “O Vira”, “Assim Assado” e “Rosa de Hiroshima”. O disco, que foi um sucesso vendendo mais de 1 milhão de cópias em todo o Brasil, foi lançado em tempos de Ditadura Militar, e por isso, retrata a luta pela liberdade de expressão, o racismo e as guerras.

E em 74 a banda lançou seu último disco com Ney como vocalista e, por isso, reunimos nesta lista as 7 músicas mais marcantes cantadas por ele dessas duas eras.

O Patrão Nosso de Cada Dia

Sangue Latino

Fala

Flores Astrais

Amor

Rosa de Hiroshima

Toada & Rock & Mambo & Tango & Etc

Ney Matogrosso será o homenageado da 28ª edição do Prêmio da Música Brasileira

É com muito orgulho que anunciamos: Ney Matogrosso será o homenageado da 28ª edição do Prêmio da Música Brasileira, que acontecerá dia 19 de julho de 2017, na cidade do Rio de Janeiro (RJ).

Se pudéssemos definir Ney em apenas uma palavra ela seria: “único”. Um dos maiores intérpretes e performers da história da música brasileira, e um dos raros cantores que conseguiu permanecer relevante em cena ao longo de cinco décadas.

Nesses quase 50 anos de carreira, Ney alcançou feitos inigualáveis. Fez parte da icônica banda Secos & Molhados (1973-1974) e foi considerado pela revista Rolling Stones a terceira maior voz da música brasileira. Com dez anos no cenário musical, já possuía 2 discos de platina e 2 de ouro, e tudo isso foi apenas a ponta do iceberg para o artista, que já lançou mais de 30 álbuns em carreira solo, que serão detalhados aqui, no site do PMB.

Mas o ponto forte de Ney são os palcos, alí é onde o artista se transforma, coloca sua fantasia, sua maquiagem, incorpora seus inúmeros personagens e cativa o público, quase de um modo hipnotizante, com seu jeito sexy, corajoso, poderoso, cru e sincero de ser, e tudo sem tabus. Praticamente um camaleão, que muda a cada álbum, a cada turnê e que nos deixa sedentos para saber o que vem a seguir.

Esse será o homenageado da 28ª edição do Prêmio da Música Brasileira, Ney Matogrosso.

8 fatos que você provavelmente não sabia sobre Tom Jobim!

Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim, mais conhecido como Tom Jobim, é considerado por muitos o maior expoente de todos os tempos da música popular brasileira. Praticamente um dos criadores da bossa nova, o musicista levou a nossa cultura e beleza para o mundo, literalmente, realizando parcerias com vários outros artistas consagrados e traduzindo seus trabalhos para outras línguas, nas quais são lembradas até hoje.

Mas no post de hoje do PMB, não vamos relembrar a história dessa lenda da música brasileira, e sim alguns fatos curiosos sobre Tom. Vamos lá?

1 – Que o Tom Jobim foi compositor, cantor, maestro, pianista e violinista você já sabe. Mas o primeiro emprego dessa lenda foi de vendedor de churros.

2 – Muitos falam que o hino “Garota de Ipanema”, um dos maiores hits de Tom é a música mais tocada no mundo, nos últimos 50 anos. Já outros, que é a segunda música mais executada no planeta, perdendo apenas para “Yesterday”, dos Beatles. Qual informação é a correta? Não sabemos. Mas temos uma certeza: essa canção é um sucessos sem igual.

3 – Mais uma curiosidade sobre “Garota de Ipanema”: existem mais de 170 versões da música pelo mundo. Vale destacar que Frank Sinatra, Madonna e Amy Winehouse tem as suas.

4 – O maestro era viciado na natureza e amava com todas as suas forças o Rio de Janeiro. O que não é difícil de perceber, já que a cidade maravilhosa era citada com frequência em suas músicas.

5 – Uma das suas músicas mais famosas, chamada “Luiza”, foi inspirada na atriz Vera Fischer, e foi feita para a novela “Brilhante”, da Globo.

6 – O apelido “Tom” surgiu de uma canção de ninar, em francês, que sua mãe, Nilza, cantava para ele quando era pequeno: “Ma Vie s’en Va Ton Guerre, Ton, Ton, Ton”. Suas irmãs, na brincadeira, começaram a chamá-lo assim e o apelido pegou.

7 – Em 1960, a pedido do Juscelino Kubitschek, a dupla Vinicius de Moraes e Tom Jobim passaram 10 dias em Brasília na criação do poema sinfônico, e de brinde, no meio desse brainstorm musical veio “Água de beber”. Obrigado, Juscelino!

8 – Tom tem um Oscar, ou quase um! O músico é o responsável pela trilha sonora da peça e filme “Orfeu do Carnaval” / “Orfeu Negro”, que ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro, em 1960.