6º PMB – 1993 – Angela Maria e Cauby Peixoto

08 dezembro 2015,   By ,   0 Comments

Ângela Maria & Cauby Peixoto

Dois dos maiores cantores populares do Brasil, Ângela e Cauby chegaram ao sucesso no início dos anos 1950 e desde então têm mantido o elo com o público. Apesar de seguirem carreiras individuais, sempre tiveram muitas afinidades e, em 1982, gravaram o primeiro disco em dupla, Ângela & Cauby. A essa altura, também já tinham o status de artistas cult, sendo influência marcante para dezenas de cantores e compositores das gerações seguintes, incluindo Elis Regina, Roberto Carlos, Chico Buarque, Milton Nascimento e Ney Matogrosso.

Nascida nos arredores de Macaé, no estado do Rio, Ângela Maria começou a cantar na infância, no coro da igreja evangélica frequentada pelos pais. Durante a adolescência, já vivendo com a família no Rio, ela trabalhava como operária durante o dia e, à noite, tentava a sorte como cantora participando de programas de calouros no rádio. Em 1948, assinou o primeiro contrato profissional como crooner do Dancing Avenida e logo depois entrou para o elenco da Rádio Mayrink Veiga. Estreou em disco em 1951 e, no ano seguinte, atuou no cinema. Com seu repertório de boleros e sambas-canções, tornou-se a cantora mais popular do período, eleita seguidas vezes Rainha do Rádio e Rainha dos Músicos.

De uma família muito musical – pai violonista, tio pianista, os irmãos Andyara, Moacyr e Araken também músicos, assim como o primo, o sambista Ciro Monteiro –, Cauby Peixoto começou a cantar na adolescência, participando de programas de calouros no Rio. A partir de 1949, trabalhou em boates cariocas e paulistanas, gravando o disco de estreia em 1951. Sambas, marchinhas, boleros, serestas, sucessos norte-americanos (como a versão de “Blue Gardenia”, que se tornou seu primeiro grande sucesso nas rádios) e até o nascente rock ‘n’ roll estavam no eclético repertório inicial de Cauby. Nesse período, também se apresentou nos Estados Unidos, onde gravou um álbum com a orquestra de Paul Weston adorando o nome artístico de Rob Coby. A partir dos anos 1970, o repertório de seus discos também incluiu composições escritas por nomes como Chico Buarque, Caetano Veloso e Tom Jobim.

Seis décadas depois de estrar, o Professor (como passou a ser chamado no meio artístico) continua cantando bem e de tudo, e há quase dez anos é atração fixa uma casa noturna de São Paulo, onde se apresenta às segundas-feiras.

“Se o amor tem fulgor de brilhantes
Fiel como ouro de lei
Se o Amor é o tesouro que eu encontrei
No coração eu guardarei
Verás com os lábios nos meus
Que é o amor o milagre de Deus”