Monarco – tradição e história no samba

03 novembro 2013,   By ,   0 Comments

Compositor, cantor, Presidente de Honra da Escola de Samba Portela e contador de muitas histórias. Esse é Hildemar Muniz, mais conhecido como Monarco.

O compositor que completou 80 anos em agosto é uma enciclopédia viva do samba. O bamba, desde muito menino, conviveu com grandes nomes do cenário cultural da época. Aos 14 anos, começou a trabalhar na ABI (Associação Brasileira de Imprensa), de onde tem grandes lembranças. “Eu limpava a mesa de bilhar de Villa-Lobos e convivia com grandes personalidades que passavam pelo salão da ABI”, conta Monarco que foi demitido da Associação por causa do seu envolvimento com o samba. “Uma vez, um dos diretores me pegou cantarolando e dançando com uma vassoura que eu fazia de estandarte e não ficou muito satisfeito com isso. O samba era algo malvisto pela sociedade da época. Algumas semanas depois, fui demitido. Mas o mais engraçado é que, quando o Presidente da ABI, Maurício Azêdo (que faleceu no último dia 25) soube que eu fui funcionário de lá, organizou uma homenagem a mim. Foi lindo”, relata.

Monarco é um dos compositores mais respeitados do chamado samba de raiz, ou do morro. De suas mãos saíram sucessos como “Tudo Menos Amor”, ”Rancho da Primavera”, “Passado de Glória”) e muitos outros. Leia a seguir a entrevista que o mestre do samba e da Velha Guarda da Portela concedeu ao site do Prêmio da Música Brasileira.

513 PMB – O Samba será o nosso próximo homenageado. O que você acha disso?
Monarco – O Samba merece! Eu como sambista fico muito feliz. Antigamente as pessoas marginalizavam o samba, e hoje ele será homenageado. O samba é tudo para mim, é motivo de inspiração, é tudo na minha vida, desde pequeno, sempre estive envolvido com a música.  Foi um Gol de placa que vocês marcaram.

PMB – Você ganhou o prêmio como Melhor cantor de Samba, como o senhor se sentiu?
Monarco – Essa foi a cereja no bolo do meu aniversário (Monarco fez 80 anos em agosto deste ano). Já ganhei vários prêmios, mas de melhor cantor foi ótimo! Eu nunca me senti um grande cantor, por isso, foi maravilhoso. Essa felicidade não tem preço. O Prêmio é uma maneira de incentivar o músico. O Zé Maurício (Machline – diretor da premiação) tem grande consideração pelo músico brasileiro. Este prêmio merece todo o respeito, merece até um samba!

PMB – Você já tem planos para um próximo projeto?
Monarco – Eu tenho muita coisa no baú. Tenho mais de 30 canções inéditas e eu desejo fazer um novo projeto com músicas inéditas cantadas por meus amigos. Esse é o meu maior sonho e espero poder realizá-lo em breve.  A música é a minha válvula de escape.

Veja a entrevista que Monarco deu ao nosso site na 22ª edição da premiação.

Conheça mais sobre a vida deste grande bamba do Samba.