Tom Jobim fala sobre Villa-Lobos

05 março 2013,   By ,   0 Comments

Villa Lobos é uma das maiores influências de Tom Jobim. “Villa-Lobos e Debussy são influências profundas  na minha cabeça”, já disse. Se considerava um “filho musical” do maestro e suas músicas são cheias de referências. No dia 5 de março, é comemorado o nascimento de Villa-Lobos. Veja o que Tom dizia sobre seu “pai”.

“Ele era um gênio!”
“Sempre tive uma enorme admiração por Villa-Lobos. Mas ele foi muito maltratado no Brasil. Foi acusado de tudo, até de ser ladrão do folclore brasileiro. Vejam que absurdo. Diziam assim: ‘Isso não é música do Villa. Isso é roubado do folclore brasileiro!’ Ele, um dia, se revoltou e disse numa entrevista: ‘Podem dizer o que quiserem. O folclore sou eu!’ E, realmente, o folclore nas mãos do Villa virava uma outra coisa! Ele era um gênio! E foi muito perseguido por isto. Tem gente até hoje falando mal do Villa-Lobos! Até hoje! Ele é de 1887 e morreu com 82 anos. Já se vão 34 anos da morte do Villa e o pessoal do contra não se esquece de falar mal e perseguir a memória do Villa. É incrível. Você imagina o Teatro Municipal tocando ópera e o Villa escrevendo a “Floresta Amazônica”. Ninguém entendia nada. Houve resistência, é claro. O Villa era uma inovação completa.”  Trecho de entrevista para o livro “3 Antônios e 1 Jobim”

Passarinhos
“Você sabe que o Villa-Lobos era profundo conhecedor de passarinhos? Ele conhecia esses passarinhos todos que eu estou falando. De vez  em quando, eu escuto uma sinfonia do Villa, e o passarinho está lá. Ele aparece no meio da melodia, no tom certo.Villa-Lobos tinha ouvido absoluto. Então, ele sabe aquilo desde pequeno. E foi  criado aqui no Brasil, que era uma floresta!” Trecho de entrevista para o livro “3 Antônios e 1 Jobim”

“Neoprimitivista abstrato concreto”
O Villa-Lobos, quando perguntavam a ele “o que é a sua música?”, “mas o que é a sua música?” – como se você pudesse descrever músicas com palavras… Dizer que a música é amarela ou azul, é dançante, que a música é fria – falou com a imprensa : “eu sou um neoprimitivista abstrato concreto” . E ele tem toda razão. Ele é abstrato concreto e era primitivista mesmo.
Entrevista no Roda Viva

O encontro
“Villa-Lobos é um gênio. Eu por exemplo, sou o único compositor brasileiro que apaga mais do que escreve, e o Villa não errava, escrevia do Piccolo ao contrabaixo, e dez aparelhos de som ligados, televisão ligada, Ampex ligado, uma soprano berrando no piano, um cara tocando o piano, outro o violino. E eu vendo aquele homem escrever aquela música completa, aqueles acordes de oito sons e eu digo: “Mas maestro, como é que o senhor consegue?” E ele me diz: “Meu filho, o ouvido de fora não tem nada a ver com o ouvido de dentro.” Essa foi a primeira frase que Villa-Lobos me disse.

Depoimento ao documentário “ Villa-Lobos , o índio de casaca”