A influência de Clementina na música de Bosco

08 maio 2012,   By ,   0 Comments

 

Ao longo de sua carreira, João Bosco fez parcerias com grandes nomes da música, mas uma delas é especial: a com Clementina de Jesus. E esse encontro marcou a trajetória musical de João Bosco, que não esconde a influência de Clementina na sua entonação de voz.

“Quando eu encontro a Clementina, acho que, na verdade, ela pega a varinha mágica dela e faz aquilo tudo vir à tona de forma muito explícita – às vezes, coisas que eu tinha dentro, mas que ainda não haviam saído; que eu ainda não havia expressado musicalmente”, disse ele em entrevista. “Clementina vem e permite que isso tudo venha à tona”.

Clementina começou sua carreira artística muito tarde, aos 63 anos, porém deixou seu nome na história da MPB com um timbre de voz inconfundível e singular. A trajetória dos dois se cruzou em 1976, no espetáculo em Seis e Meia, que tinha como ideia reunir duas grandes atrações em um show a preços populares. O dueto entre Clementina e Bosco foi um dos mais aclamados pela crítica musical da época, e eleito um dos melhores espetáculos de 1976.  “Saímos em turnê e ficamos um ano viajando. Foi aí que comecei a incorporar de verdade os fonemas de origem afro. Tudo vem dela”, disse João. No ano seguinte, eles fazem juntos o projeto Pixinguinha.

No roteiro do Pixinguinha., inúmeras parcerias de João e Aldir Blanc – “Incompatibilidade de Gênios”, “Dois pra Lá, Dois pra Cá”, “Latin Lover”, “Miss Suéter”, “Kid Cavaquinho”, “Bala com Bala”, “Rancho da Goiabada”,” De Frente pro Crime”, “Ronco da Cuíca, “O Mestre-Sala dos Mares. O show contava ainda com “Marinheiro Só” (Caetano Veloso), “Vai Saudade” (Candeia), “Abaluaiê “ (Waldemar Henrique), “Iaô” (Pixinguinha e Gastão Vianna),  “Não Quero mais Amar a Ninguém” ((Zé Da Zilda, Cartola e Carlos Cachaça), ““Mulato Calado” (Wilson Baptista, Marina Baptista e Benjamim Baptista Coelho),  Sei lá Mangueira”( Paulinho da Viola e Hermínio Bello de Carvalho), “Heróis da Liberdade” (Silas de Oliveira, Mano Décio da Viola e Manuel Ferreira), “Você me Balançou “(Xangô), “Madrugada” (Antonio Mota e B. Miranda) e “Me dá Meu Boné “ (Padeirinho) . Você pode escutar trechos delas aqui.

Em documentário sobre Clementina, João diz que “ela nos liga aos nossos antepassados, com o que temos de mais antigo em nossa história.” E mais: os sons que ela emitia não davam para ser escritos, a coisa era muito oral. Ela extraiu de mim coisas que não sabia que eu tinha mas que havia herdado geneticamente dos meu antepassados”.

Escute a versão de Clementina para “Incompatibilidade de Gênios’: