6 composições de Belchior na voz de outros artistas!

Na última semana perdemos um dos maiores compositores do MPB: Belchior. O cearense tinha a mão cheia para expressar seus sentimentos em suas músicas, às vezes enigmático, mas sempre com um tom refinado, não importava se retratasse amor, angústia, saudade ou até política e sociedade.

Com mais de 40 anos de carreira e quase 30 LPs lançados, o músico é dono do álbum Alucinação, de 1976, que é considerado por vários críticos musicais como o mais revolucionário da história da MPB e um dos mais importantes de todos os tempos para a música brasileira.

Mas o assunto dessa matéria é diferente. Vamos relembrar 6 composições do Belchior gravadas por outros artistas, em homenagem ao seu trabalho. Será que você sabia que ele era o autor dessas canções?

“Paralelas” – gravada por Vanusa

Comentário a respeito de John” – gravada pela cantora Bianca

“Mucuripe”, gravada por Fagner

“Como Nosso País”, regravado por Elis Regina

“O Palo Seco”, regravada por Oswaldo Montenegro

“Coração Selvagem”, regravada por Ana Carolina

Vai deixar saudades, Belchior.

Duetos: unindo gerações de artistas!

Quando dois artistas se unem para interpretar uma canção, não é somente cantar a música juntos, esse trabalho é uma soma, uma soma de estilos, de trejeitos, sotaques, talentos e de públicos. Alguns artistas convidam outros para dar uma nova vida a uma velha canção e tem aqueles que criam uma nova música, misturando as experiências de ambos.

Nós do PMB, separamos alguns duetos, atuais e antigos, para animar o seu dia. Dá o play e vem curtir música boa com a gente.

Luan Santana & Sandy – Mesmo Sem Estar


Elis Regina & Tom Jobim – Águas de Março


Ana Carolina & Maria Gadú – Mais Que a Mim 


Tim Maia & Gal Costa – Um dia de domingo


Emicida & Caetano Veloso – Baiana


Ana Cañas & Nando Reis – Pra Você Guardei o Amor 


Silva & Marisa Monte – Noturna (Nada de Novo Na Noite) 


Maiara e Maraisa & Marília Mendonça – Motel

10 curiosidades sobre Elis Regina!

O que falar de Elis Regina Carvalho Costa, mais conhecida como Elis Regina ou para os críticos, “maior cantora brasileira”? Com uma grande extensão vocal e uma dramaticidade incrível nos palcos, Elis alcançou o estrelato após cantar o hino “Arrastão”, no festival TV Excelsior, em 1965, e não parou mais.

Praticamente uma camaleoa musical, a cantora de “Falso Brilhante” já cantou MPB, bossa nova, samba, pop, rock e até Jazz, ajudou a construir carreiras, como a do Milton Nascimento, Ivan Lins e João Bosco, que eram pouco conhecidos na época.

Mas o post de hoje não será sobre a espetacular história da cantora, e sim sobre curiosidades e fatos sobre a sra. Regina que apenas os mais fervorosos fãs sabem. Vamos lá?

1- Tom Jobim disse “Não” para Elis durante a audição do disco “Pobre Menina Rica”, em 1964. 10 anos depois eles gravaram o histórico “Elis & Tom”.

2- Elis tinha diversos apelidos: Pimentinha, Furacão, Baixinha e Elis-cóptero, dado pela sua amiga Rita Lee.

3- Após sua morte, foi encontrada sua agenda de 1982, contendo anotações sobre o novo disco que a cantora preparava com músicas de Milton e Tom Jobim. :/

4- Ela tinha apenas 1,53 metros de altura.

5- A tour do álbum “Falso Brilhante”, de 1976, teve 257 apresentações com um total de 280 mil pessoas, gastos de 560 milhões de cruzeiros e bilheteria de 8 bilhões de cruzeiros. Tudo isso em apenas 14 meses em cartaz. Dados impressionantes para a época.

6- Elis foi a homenageada da noite na oitava edição do Prêmio da Música Brasileira, em 1995!

7- Após se apresentar no Festival de Jazz de Montreux, na Suíça, em 1979, Elis ficou conhecida entre os críticos europeus como “a nova Ella Fitzgerald”. Apelido que emocionou muito a cantora, que tinha Ella como uma das suas maiores inspirações.

8- Milton Nascimento revelou que Elis era sua maior musa inspiradora e que só fazia músicas pensando nela. Após sua morte, Nascimento revelou que sonhou com a cantora todos os dias durante um tempo.

9- A conceituada cantora Björk revelou que Elis foi uma das suas grandes inspirações e até escreveu uma canção para ela, intitulada de “Isobel”. Quando veio ao Brasil, a islandesa chorou ao conhecer o filho de Elis.

10- Em 1976, quando Rita Lee foi presa por porte de maconha, Elis enviou uma carta para ela, destruindo todos os rumores de rivalidade entre as cantoras. O engraçado da história é que as duas não se conheciam ainda, mas após o ocorrido elas cantaram juntas no especial da TV Bandeirantes, no mesmo ano, a convite de Elis.